O filme e os dias de hoje

Devo confessar que no dia em que assisti ao trailer de “V For Vendetta” no meu cinema, não estava nem perto de querer pagar um ingresso por assistir aquele cara com uma máscara engraçada no rosto. Pareceu-me que seria mais um daqueles filmes simples extraídos de um “comic” pouco conhecido (pelo menos para mim) que estão a aparecer com frequência nos cinemas estes dias. Mas agora que assisti, acho que estava julgando o filme errado e não sendo totalmente justo com o roteirista e o diretor.

Foi surpreendente acompanhar a história e sua semelhança contínua com o que está acontecendo hoje em um país não muito distante e em bairros não muito estranhos. No filme que é bom ao ver filmes hd online é a Inglaterra que foi tomada por um grupo de fanáticos que concluíram que sua razão de viver é o poder e a imposição de seu modelo de mundo e ideias sobre todos e em todos os lugares. Há uma guerra contínua fora das fronteiras e dentro da democracia acabou; enquanto isso, o medo está vivo. As pessoas perderam o poder de questionar a realidade e de tomar consciência das terríveis consequências de viver sob um regime tão decadente. É um modelo baseado não na razão, não na justiça. É o modelo que pregam os “fascistas”, onde é necessária obediência e um funcionamento “relojoeiro” da sociedade no interesse de uns poucos “eleitos”.

Mas de repente surge um problema que ameaça o “status quo”, eles (sem saber) criaram o seu próprio finalizador. É uma figura que nos parece um misto de vingança com uma mente revolucionária, seu nome é “V”. Embora o filme o torne mais próximo de uma simples sede de vingança desse personagem, o que é um ponto ruim para o escritor, mas enfim; o filme nos coloca diante de uma tirania sendo desafiada por um único questionador, uma única dúvida sobre o que está acontecendo com aquela sociedade e sua ameaça de multiplicar essas dúvidas quando chegar o momento certo, isto é … 5 de novembro.

Há também o lado humano de “V”, ele conhece a garota do filme graças a sua oportuna exibição enquanto ela está prestes a ser estuprada por um grupo de agentes secretos do regime “fascista” que a pegaram caminhando na direção errada horas. Você nem mesmo é o dono do seu tempo enquanto os pregadores de “England Prevails” estiverem no poder. Ela escapa a salvo graças a “V”, mas apenas para ser iniciada no mundo daqueles que irão mudar esse mundo. Ela será a convidada e prisioneira de “V” até que finalmente aprenda que não há nada a temer a não ser o próprio medo.

No final, parece haver uma divisão dos apetites de vingança de “V” e as intenções revolucionárias que foram crescendo à medida que a história se desenrolava. Fica um tanto claro que tudo que vem do antigo regime deve morrer, inclusive “V”, mas ele deixou um último presente e talvez uma lição para quem quiser aprender. As paixões pertencem a indivíduos e podem ser forças muito poderosas; mas as revoluções não podem ser feitas por um ou dois indivíduos, as revoluções são feitas pela consciência e vontade do povo.